A profissão que decididamente não lembra nem mesmo ao Menino Jesus

Quem leu o último texto que aqui publiquei, certamente terá reparado que comecei por anunciar que ia falar daquela que considero a profissão mais parva do mundo bem como daquela que não chegando ao nível dessa coisa estranha tem igualmente um reconhecido grao de parvoíce pelo que levou uma merecida menção honrosa. Como me acabei por alongar um bocado a divagar sobre os árbitros de bilhar e porque afinal este tema é meredor de um post só para ele, guardei então para aqui a revelação daquela que é, indubitavelmente, a profissão mais parva e desinteressante do mundo. Falo, como os mais atentos já terão certamente descoberto, de ser Professor de Estatística. Vamos lá ver: um árbitro de bilhar se calhar até é um antigo jogador da dita arte que após se retirar achou que devia fazer o sacrifício de arbitrar aquilo para que a tradição possa prosseguir. É um sacrificado, portanto. Já alguém quem envereda pelo maravilhoso mundo da estatística é alguém que frequentou uma faculdade para isso, envolve uma escolha ponderada. Teve vários anos para pensar no que estava a fazer e desistir. Depois de passar toda essa fase e ainda assim ter ido até ao fim e tendo adquiridos os conhecimentos então guarde-os para si!!! Façam uma sondagem numa aula de Estatística Industrial e adivinhem quantas pessoas estão ali porque acham fascinante a ciência que lhes estão a transmitir... nenhuma, obviamente!!! Quem está ali fá-lo porque há faltas e quer ir a exame para fazer a cadeira! É que aquilo não interessa a ninguém! Nem ao dito Menino Jesus. Acham que quando ele foi discutir ciência e pregar com os grandes pensadores da época no templo que alguém naquela sala discutiu estatística? Claro que não! Ouço um professor de estatística (os meus pêsames, desde já) desse lado a resmungar entre-dentes "ah, sua besta! Tu dizes isso porque tiraste 4 na frequência!!!" ao que eu tenho apenas a dizer que não tem nada a ver. Desde o momento em que me sentei lá no fundo da sala na primeira aula teórica e vi o primeiro slide da matéria que me perguntei "mas isto é suposto servir para quê?". É que reparem: eu imagino um puto a ver as pessoas doentes e a morrer e pensar "quando for grande vou ser médico ou enfermeiro e vou salvar esta gente toda", consigo ver um puto a olhar para o Estádio Alvalade XXI e a pensar "quando for grande vou ser arquitecto e vou mostrar a esta gente como distinguir um estádio de uma casa-de-banho", consigo imaginar um puto a babar-se para um Porsche ou um Ferrari e a pensar "quando for grande vou ser Engenheiro Mecânico e fazer uma coisa destas a andar a ar e vento!", não consigo imaginar um puto a ver a Taça do Mundo de bilhar na Eurosport e a pensar "quando for grande quero ser árbitro desta coisa" mas já consigo imaginar mais um puto a ler o seu "Primeiro Atlas" e a aprender montes de coisas giras e a pensar com os seus botões "quando for grande quero ser professor e ensinar a resmas de putos como eu". Mas o que eu não consigo mesmo imaginar é, seja quem for, puto ou graúdo, a acordar um dia, olhar-se ao espelho, e pensar para si "eia, tantas riscas que esta camisa tem... um dia hei-de calcular a média, a moda e a mediana das riscas que tenho, fazer o desvio padrão e calcular uma distribuição binomial do número e tipo de riscos da camisa. A estatística é o meu futuro!". Será que alguém concebe este cenário? O homem fazia a distribuição binomial, achava um número giro, sim senhor, e depois? Para que é que aquilo lhe serve? Quanto a mim, serve apenas para ela chegar à beira do puto que quer diz "vou ser Engenheiro Mecânico" e dizer-lhe com um sorrisinho parvo "não vais não... primeiro, tens que fazer estatística...". A lógica da estatística resume-se a isto: acabar com o sonho dos outros. No fundo, apenas é uma espécia de prova de fogo, uma seleção dos mais fortes. Que serve apenas para acabar com o futuro de muita gente. Basicamente, de toda a gente que tenha a infelicidade de se cruzar com ela. Nesta perspectiva, sempre seria um passatempo giro... Pregar partidas aos outros... Nunca vão acabar o curso por causa da estatística... Grande partida... Eh, eh, eh... Uns malucos, estes estatísticos, é o que é. Srs. Estatísticos: é Natal e estão a precisar de pessoal no Lidl. É altura de repensarem as vossas vidas e dar-lhes um novo rumo. Quem sabe, numa caixa perto de si?

Comentários

caditonuno disse…
olha, dá-se-lhes na cabeça e vao aprender estatística. porreiro prás média, moda e mediana, que ganham um adepto, coitados de nós, que temos que levar com tudo aquilo em cima!
Anónimo disse…
LOOOOOL

realmente aquilo não serve pa nda x) ms ta feita lai lai lai

ja t disse q n tnho mais cadeiras d matematica?! nunca mais na vida?!?!


=DDDDDD

**isto d n aceitr os comentarios sm ser em anonimo n da c nda aiai
-.-

Juja*
Guimas disse…
os coments so sao feitos com nick pra kem sabe.... nao pra kem pode ;P
dahhhh disse…
comentário com nick

Mensagens populares