A poesia mata

Ainda estou chocado com mais esta (de entre muitas) descoberta que eu fiz recentemente: a poesia mata.

Assim à primeira vista, pode parecer uma frase muita sensacionalista, a fugir um pouco para um certo estilo TVI/24 Horas. O problema no meio disto tudo... é que não é sensacionalismo. É um facto e convém que as pessoas fiquem cientes disso porque parece que até hoje ainda ninguém tinha ficado verdadeiramente ciente disso.

Por esta altura, já a maior parte das pessoas revirou os três vezes e fechou a página. Quanto a essas pessoas, só esperam que sejam apanhadas por um soneto enfurecido numa ruma escura. Para os heróicos resistentes (vá, crentes) que ainda cá estão, eu explico como tudo se passou e como o que eu estou a dizer é tão verdade como a miopia do Sr. Baptista de Setúbal.

Portanto, foi o seguinte: quis o destino que um destes dias eu andasse a queimar tempo algures entre a Boavista e o Campo Alegre. Num sítio com ruas. Muitas ruas. E gente que anda a queimar tempo, repara em coisas. Coisas como o nome dessas ruas. E sucede também que os senhores da Câmara do Porto são uns porreiros e põe informação nas placas de ruas com nomes de pessoas. Coisas giras como a profissão do senhor em questão e os anos do nascimento e da morte.

Quis também o destino (esse animal) que ao passar na Rua de Soares de Passos que eu reparasse nas datas do nascimento e da morte do senhor. O pobre coitado tinha nascido em 1826 e morrido em 1860. 34 anos. É manifestamente pouco. Prestei atenção redobrada à placa para tentar saber se o moço fazia alguma coisa perigosa estilo alpinismo, base-jumpping ou se dava aulas numa Secundária do Porto. Só que não era nada disso, o rapazinho era poeta. Pronto, teve azar, pensei eu. E segui à minha vidinha.

Seguiu-se a Rua de Guilherme Braga no meu plácido roteiro. Outro poeta. Outro desgraçado. 1845 a 1874. 29 anos. Este sócio nem aos 30 chegou. A coisa pelos vistos afectou-o cedo. Começava a surgir-me a dúvida se as ruas daquele bairro teriam nomes de poetas ou nomes de pessoas que morreram cedo... Ou ambas... Mas também podia ser só uma coincidência.

Continuei viagem. Próxima rua: Rua de António Nobre. Desta vez saiu-me um... domador de leões! Não, mentira. Era poeta. Só que... este viveu até aos 90! Não, também é mentira. Viveu 33 anos. Entre 1867 e 1900. Começava a ser coincidência a mais.

Só que, ainda antes de chegar ao Campo Alegre, tinha que passar pela Rua de Guerra Junqueiro. Para variar, mais um poeta... que viveu 73 anos! E este viveu mesmo. Afinal, ainda há esperança. Só que não chegou para me convencer e chegado a casa resolvi investigar mais um pouco e peguei em dois nomes assim ao acaso: Fernando Pessoa e Manuel Maria du Bocage.

O primeiro, ainda viveu uns simpáticos 47 anos (1888-1935). Não é muito mas comparando com os outros que duravam pouco mais de 30 anos, não está mal... Contudo, convém lembrar que o homem se dividia em heterónimos e mesmo só contando com os três mais conhecidos e com o ortónimo dá pouco mais de 10 anos a cada um... E isso é muito, muito pouco.

Já o sôr Bocage viveu apenas 40 anos. Continua a não ser muito e vem reforçar a teoria.

Portanto, e depois desta palha toda, é fácil perceber onde eu quero chegar: todos estes fulanos eram poetas e quase todos eles morreram jovens. Conclusão: a poesia é uma substância extremamente nociva e por muitas vezes conduz a morte muito prematura. Em duas quadras existe mais substâncias letais do que numa manada de nicotina. Uma boa dose de tercetos faz a heroína parecer uma coisa de meninos. Umas sextilhas combinadas com meia dúzia de septilhas podem despachar um gajo em semanas.

E as pessoas não sabem disto e parece que não querem saber! A droga proibi-se, o tabaco leva com mensagens garrafais nos maços que podem ser lidas em Viana do Castelo por um gajo que esteja em Idanha-aNova (FUMAR MATA). E estes gajos das poesias andam por aí à solta e ainda por cima tentam impingir estas coisas a chavalada desde cedo... Claro que há um iluminado qualquer que se vai lembrar de perguntar "E então o Guerra Junqueiro? O homem não viveu 70 e tal anos?". A esse iluminado eu respondo apenas que sim. E acrescento ainda que também há gente a fumar 3 e 4 maços de tabaco por dia e que vive até aos 90 ou que há pessoas que caiem de um 4º andar e sobrevivem. São casos que acontecem, o que não quer dizer que façam bem. Aqui é igual.

No mínimo, os livros de poesia deviam vir com avisos a negrito, bem visíveis na capa com mensagens do género "A POESIA MATA", "POETAR PREJUDICA A SUA SAÚDE E A DOS QUE O RODEIAM", "AS RIMAS PODEM CAUSAR IMPOTÊNCIA". E, eventualmente, discutir-se já num futuro próximo a abolição da poesia. É que anda gente a morrer por causa disso! Alguém tem que fazer alguma coisa. Depois não digam que não avisei.

Comentários

Juja disse…
eu tnho a dzer e q tu na tns msm nda pa fzer =D


e tnho dito^^
Criss disse…
A joao tem mta razao xD
TILT disse…
Vocês não sabem o que dizem! xD
Gloria disse…
andas a investigar bocage e o que reparas é na idade do moço? ha coisas muuito mais interessantes de bocage pa reparar xD
Anónimo disse…
Excellent post. I want to thank you for this informative read, I really appreciate sharing this great post. Keep up your work You are also welcome in my blog it very intresting and informative and
collection of great articles and essays thank you

Mensagens populares